22 Fevereiro, 2017      00:20 GMT +1 Luanda
Angola News


Angola pede ajuda ao Fundo Monetário Internacional

Enviar por E-mail Versão para impressão

20160407O governo de Angola apresentou um pedido de ajuda externa ao Fundo Monetário Internacional (FMI), de acordo com um comunicado quarta-feira divulgado em Luanda pelo Ministério das Finanças.

O pedido de ajuda externa foi justificado pelo Ministério com “a necessidade de aplicar políticas macroeconómicas e reformas estruturais que diversifiquem a economia e respondam às necessidades financeiras do país.”

O documento não anuncia qual o valor da assistência financeira pretendida, centrando-se antes na assunção de um conjunto de compromissos políticos que passam pelo aumento da transparência das contas públicas, maior diversificação económica e pela promessa de um reforço da aposta nas áreas da agricultura, pescas, minas, educação, serviços financeiros, água, serviços básicos e saúde.

Com o título “Angola está empenhada na diversificação económica com o apoio do FMI”, o texto assume que “o governo está consciente da forte dependência que o sector petrolífero representa para a vulnerabilidade das finanças públicas e para a economia”, argumentando que os esforços para diversificar a economia começaram “há muitos anos.”

“Os esforços sustentados desde há muitos anos para promover a diversificação económica já resultaram num significativo aumento da contribuição do sector não petrolífero no PIB para os 68,1% actuais, contra 40% dos anos 80, mas o petróleo representa ainda mais de 95% das receitas das exportações e 52% da receita fiscal em 2015″, pode ler-se no comunicado. (Macauhub/AO)

 

NEC Corp inicia construção do cabo submarino da Angola Cables

Enviar por E-mail Versão para impressão

A NEC Corp do Japão vai iniciar a construção do “Sistema de Cabo do Atlântico Sul” (SACS, na sigla em inglês), o primeiro cabo submarino em fibra óptica a ligar África à América do Sul, de acordo com comunicados quarta-feira divulgados em Luanda e em Tóquio.

O SACS, que deverá entrar em funcionamento em meados de 2018, é um projecto da empresa Angola Cables com um custo estimado em 160 milhões de dólares, que será parcialmente financiado com empréstimos contraídos pelo Banco de Desenvolvimento de Angola junto do Banco para a Cooperação Internacional do Japão (JBIC) e da Corporação Bancária Sumitomo Mitsui (SMBC).

O sistema irá ligar Luanda, Angola, a Fortaleza, Brasil, cidades que distam cerca de 6200 quilómetros, e a partir da cidade brasileira a um outro sistema de cabos que vai até Miami, nos EUA, permitindo assim ligações directas entre África, através de Angola, e a América do Norte, através dos Estados Unidos.

A Angola Cables é uma empresa que foi criada pelos cinco principais operadores de telecomunicações angolanos e que actualmente fazem parte da sua estrutura accionista, sendo a estatal Angola Telecom o maioritário. (Macauhub/AO/BR)

 

Angola tem 20 mil cooperativas agro-pecuárias registadas

Enviar por E-mail Versão para impressão

Cerca de 20 mil cooperativas agro-pecuárias estão registadas em Angola, disse quarta-feira em Luanda o ministro da Economia, Abraão Gourgel, citando dados recentes da Confederação das Associações de Camponeses e Cooperativas Agro-pecuárias de Angola (Unaca).

O ministro, que usava da palavra na cerimónia de abertura da Conferência Nacional sobre Cooperativismo, disse ainda que além destas cooperativas do sector agro-pecuário há outras como as de crédito, habitação, de funcionários públicos, de pescas e de transportes, embora em números poucos expressivos.

Abraão Gourgel apresentou como constrangimentos ao desenvolvimento do sector cooperativo e à prosperidade dos seus membros o acesso a crédito, formação, instrução e mercados, insuficiência de gestão cooperativa, processo de constituição moroso e de custo elevado.

O ministro recordou o apoio dado pelo governo ao sector e mencionou a Lei das Cooperativas, de 31 de Agosto de 2015, aprovada pelo parlamento tendo por base uma proposta de lei que preencheu a lacuna existente no ordenamento jurídico angolano ao consagrar os princípios gerais e definir bases normativas para o exercício da actividade das cooperativas. (Macauhub/AO)

 

Angola contrai empréstimo para pagar avião da Taag

Enviar por E-mail Versão para impressão

Angola contraiu um um empréstimo de 192 milhões de dólares junto de um sindicato bancário liderado pelo Hong Kong and Shanghai Banking Corp para garantir a entrega de um avião Boeing 777-300ER à transportadora aérea Taag, de acordo com um despacho presidencial.

O despacho citado pela agência noticiosa Lusa adianta que este financiamento estatal – cujas condições não são conhecidas – deverá posteriormente ser liquidado pelos “recursos financeiros a serem futuramente concedidos pelo Banco de Exportações e Importações dos Estados Unidos a favor da TAAG.”

A transportadora aérea angolana anunciou em Fevereiro que dois aviões novos Boeing 777-300ER deveriam chegar a Angola em Março e Abril, para reforçar as ligações entre Luanda e Lisboa, mas até ao momento nenhum desses aparelhos foi já entregue pela construtora norte-americana.

O contracto para a aquisição das três aeronaves foi assinado entre a Taag e a Boeing a 27 de Março de 2012.

A companhia assegura voos internacionais e rotas nacionais com recurso a cinco aviões Boeing 737 e seis 777, estes para operar rotas internacionais também para Lisboa e Porto, além do Brasil e Cuba, entre outros destinos. (Macauhub/AO)

 

Angola coloca Bilhetes do Tesouro a uma taxa de juro próxima de 18%

Enviar por E-mail Versão para impressão

20160406

O Estado angolano financiou-se na semana passada a uma taxa de juro próxima de 18%, quando o Banco Nacional de Angola (BNA) colocou 63,8 mil milhões de kwanzas em Bilhetes do Tesouro nas maturidades de 91, 82 e 364 dias, informou o banco central.

O BNA, na qualidade de operador do Estado, colocou aquele montante em Bilhetes do Tesouro nas maturidades de 91, 182 e 364 dias a taxas de juro médias de 14,97%, 16,99% e 17,85%, respectivamente.

O banco central colocou ainda 14,5 mil milhões de kwanzas em Obrigações do Tesouro, nas maturidades de 2, 3, 4, e 5 anos, a taxas de juro de 7,00%, 7,25%, 7,50% e 7,75%, respectivamente.

No segmento de venda directa ao público, o BNA colocou 3,6 mil milhões de kwanzas em Bilhetes do Tesouro nas maturidades de 91 e 182 dias, tendo as taxas de juro médias registadas sido de 14,98% e 17,00%, respectivamente.

Na mesma semana, o banco central vendeu 110 milhões de euros aos bancos comerciais, sendo 90 milhões de euros em leilão de preço para cobertura de necessidades gerais de importação de empresas prestadoras de serviços ao sector petrolífero e 20 milhões de euros para operações de natureza particular. (Macauhub/AO)

 


Pág. 98 de 794


beyond_words
beyond_words