25 Outubro, 2014      16:11 GMT +1 Luanda 29°C
Angola News


Governo de Cabo Verde interessado em atrair investimentos do Fundo Soberano de Angola

Enviar por E-mail Versão para impressão

Cabo Verde está interessado em receber investimentos do Fundo Soberano de Angola, disse terça-feira em Luanda a ministra das Finanças cabo-verdiana, Cristina Duarte, no final de um encontro com o presidente daquele Fundo, José Filomeno dos Santos.

Cristina Duarte, que iniciou na segunda-feira uma visita de trabalho de três dias a Angola, disse que o capital privado angolano está entre as apostas preferenciais do governo de Cabo Verde para investimentos nos sectores portuário, aéreo, hoteleiro, turístico, energético, das tecnologias de informação e comunicação.

“Tive a oportunidade de dizer ao presidente do Fundo que nos últimos anos Cabo Verde levou a cabo imensos programas de infra-estruturação em todos os sectores, pelo que o capital angolano, nomeadamente o do Fundo Soberano de Angola, pode encarar Cabo Verde como um país infra-estruturado”, salientou a ministra, de acordo com a agência noticiosa Angop.

O Fundo Soberano de Angola, com uma dotação inicial de 5 mil milhões de dólares, foi criado em Outubro de 2012 para investir no país e no exterior os recursos gerados pelas exportações de petróleo em infra-estruturas e outros projectos tendentes a diversificar a economia angolana, fortemente dependente dos hidrocarbonetos.

Antes de deixar Angola, a ministra cabo-verdiana reunir-se-á com o presidente da Comissão do Mercado de Capitais de Angola, Archer Mangueira e visitará a Zona Económica Especial Luanda/Bengo. (macauhub)

 

Ministra das Finanças de Cabo Verde defende associação entre companhias aéreas de Angola e de Cabo Verde

Enviar por E-mail Versão para impressão

20140218

A Transportes Aéreos de Cabo Verde pretende associar-se à sua congénere angolana TAAG para actuação conjunta na África Ocidental, disse segunda-feira em Luanda a ministra das Finanças e Planeamento de Cabo Verde.

A ministra Cristina Duarte adiantou que o governo de que faz parte tem abordado esta questão com o seu congénere de Angola no decurso dos últimos cinco anos, abordagem que não tem passado de conversas, “não havendo quaisquer negociações no sentido de as duas companhias aéreas se associarem.”

A ministra disse ainda que a TACV e a TAAG complementam-se em determinados pontos e garantiu que caso se juntassem teriam muito a ganhar, “atendendo a que o mercado da aviação da África Ocidental continua à espera de uma grande associação para uma melhor prestação de serviço.”

Cristina Duarte salientou que a concretização desta ideia esteve condicionada pela falta de infra-estruturas, mormente aeroportos internacionais, uma situação já ultrapassada por Cabo Verde.

“Uma empresa aeronáutica com vocação ou condição regional deve ter infra-estruturas e as infra-estruturas já existem em Cabo Verde, nomeadamente os aeroportos internacionais”, assegurou.

De acordo com a agência noticiosa angolana Angop, Cristina Duarte não se referiu em qualquer momento a anteriores afirmações suas, segundo as quais há pelo menos uma empresa chinesa interessada na privatização da Transportes Aéreos de Cabo Verde, decisão já anunciada pelo governo de José Maria Neves. (macauhub)

 

Angola apoia Orçamento de Estado de Cabo Verde com 13,3 milhões de dólares

Enviar por E-mail Versão para impressão

Angola vai apoiar o Orçamento de Estado de Cabo Verde com mais de 1,3 mil milhões de kwanzas (13,3 milhões de dólares), na sequência de um acordo de cooperação financeira assinado segunda-feira em Luanda pelos dois países.

O valor será aplicado maioritariamente em projectos ligados a infra-estruturas, de acordo com a ministra das Finanças e Planeamento de Cabo Verde, Cristina Duarte, a signatária do acordo pela parte cabo-verdiana.

“Trata-se da assinatura de um acordo de financiamento à tesouraria da República de Cabo Verde, no sentido de reforçar o Orçamento de Estado de Cabo Verde na infra-estruturação do país”, esclareceu Cristina Duarte após a assinatura do protocolo.

A ministra das Finanças e Planeamento de Cabo Verde informou que Cabo Verde iniciou há oito anos um amplo programa de infra-estruturação do país, que contempla a construção, expansão e modernização de seis portos e de quatro aeroportos internacionais, cobertura do país com uma rede rodoviária e projectos de governação electrónica.

Sem avançar a contrapartida de Angola na base do acordo assinado segunda-feira, Cristina Duarte salientou que actualmente o valor dos negócios entre os dois países ainda não é muito significativo, sendo mais de cariz individual.

“Agora é que as grandes oportunidades vão surgir”, disse a ministra, que destacou a segunda vaga de privatizações, nomeadamente da empresa nacional de electricidade, dos estaleiros navais e dos aeroportos. (macauhub)

 

Câmara do Comércio Angola/EUA vai divulgar melhor linha de crédito aberta pelo Banco ExIm dos EUA

Enviar por E-mail Versão para impressão

20140217

A Câmara do Comércio Angola/EUA vai tentar divulgar melhor uma linha de crédito de 122,6 milhões de dólares aberta em 2009 pelo Banco de Exportações e Importações dos Estado Unidos e que continua por utilizar, disse o director executivo da instituição.

“Passados quatro anos da abertura dessa linha de crédito, nenhum empresário angolano, quer público quer privado, procurou dela beneficiar”, disse Pedro Godinho Domingos, citado pela agência noticiosa Angop.

“Vemos esta situação com alguma preocupação, visto que o fundo a que nos referimos esteve disponível durante quatro anos e não houve qualquer acesso, situação que também decorre de algumas dificuldades sentidas pelos empresários nacionais em contactarem o mercado americano, por força da barreira de comunicação”, notou.

Na perspectiva de Pedro Godinho Domingos, os empresários angolanos sentem-se mais confortáveis em recorrer ao mercado português para compras devido à dificuldade linguística, mas salientou que o mercado português é 36% mais caro do que o norte-americano e salientou que, se não fosse a língua, a África do Sul seria a opção primordial dos angolanos devido à proximidade. (macauhub)

 

Angola vai fornecer madeira a Itália

Enviar por E-mail Versão para impressão

Angola vai passar a abastecer o mercado italiano com madeira dentro de dois anos, no quadro de um acordo a ser em breve assinado entre a Organização de Madeireiros e Material de Decoração de Itália e a sua congénere angolana, disse um responsável italiano.

A bordo do porta-aviões italiano Cavou, no quadro de uma visita do 30º Grupo Naval que se encontra em Angola desde a passada quinta-feira (13), Gianmarco Orefice, promotor internacional da FederlegnoArredo, disse que o acordo, ainda sem data, vai ser o culminar de um processo de conversações entre empresários angolanos e italianos, cujos primeiros contactos ocorreram em 2010.

“Naquela altura, elaborámos vários contactos entre produtores, comerciantes e designers angolanos e demonstrámos todo o nosso interesse em criar acordos de cooperação comercial no domínio da madeira”, reforçou.

O representante da FederlegnoArredo, cujas vendas para o mercado angolano atingiram seis milhões de dólares nos últimos dois anos, sublinhou a importância de Angola no quadro da expansão dos negócios da companhia que representa.

Na ocasião, o presidente da Associação dos Madeireiros Industriais de Angola, Luís Silva, disse à agência noticiosa Angop que o acordo chega numa boa altura, considerando o facto de a FederlegnoArredo constituir uma dos principais operadores mundiais no domínio da produção e transformação da madeira.

A Associação dos Madeireiros Industriais de Angola detém, actualmente, 75 associados, distribuídos em várias regiões do país, um número que o responsável pela agremiação garante estar preparado para ir de encontro as solicitações de exportação. (macauhub)

 


Pág. 98 de 512
pub-angola-p.jpg
MM24
MM9