02 Outubro, 2014      15:23 GMT +1 Luanda 28°C
Angola News


Banco português BPI revê em baixa previsão de crescimento da economia de Angola em 2013

Enviar por E-mail Versão para impressão

O gabinete de estudos económicos e financeiros do banco português BPI reviu em baixa a previsão de crescimento para a economia de Angola em 2013 em 0,7 pontos percentuais, estimando agora um aumento do Produto Interno Bruto (PIB) de 4,5%.

De acordo com o Panorama Macro Mensal referente a Janeiro, citado pela agência noticiosa Lusa, os economistas do banco português afirmam que “a produção petrolífera deverá ter sido mais fraca do que o esperado inicialmente, o que motivou uma revisão em baixa da previsão de crescimento do PIB real em 2013.”

Os dados mais recentes, afirma o BPI, apontam para uma nova descida na produção de petróleo, a mais importante fonte de receita, durante este ano, acrescentando que a “produção média de petróleo caiu para 1,72 milhões de barris por dia no período entre Julho e Novembro, abaixo da média de 1,76 milhões de barris produzida entre Janeiro e Junho.”

Por outro lado, continua o relatório do BPI, “as receitas fiscais provenientes do petróleo devem ter excedido o orçamento inicial em 5%, embora o desvio seja bastante menor do que nos anos anteriores, sinalizando que os esforços para diversificar a economia, afastando-a da dependência do petróleo, têm sucessivamente sido sobrestimados no princípio de cada ano.”

Este ano, nota o BPI, Angola enfrentará “novos desafios económicos”, a começar pela nova pauta aduaneira, que entrou em vigor em Janeiro e prevê um aumento de 50% nas taxas de alguns produtos, como a cerveja ou a água engarrafada, e que foi aprovada “com o intuito de desencorajar as importações e ‘subsidiar’ a produção local.” (macauhub)

 

Banco Comercial Angolano pretende abrir 14 novas agências este ano

Enviar por E-mail Versão para impressão

O Banco Comercial Angolano (BCA) pretende abrir, este ano, 14 novas agências, ao abrigo da política de expansão dos seus serviços por Angola, anunciou em Malange o presidente da instituição, citado pela agência noticiosa Angop.

Filipe Martins disse que a abertura de novas agências visa levar cada vez mais próximo dos clientes os serviços e produtos que comercializa e criar oportunidades de financiamento aos empresários nacionais.

Os catorze balcões serão abertos nas cidades do Soyo (Zaire), Lubango (Huila), Porto Amboim, Sumbe (Cuanza Sul), Ndalatando (Cuanza Norte), Namibe, Uíge e Huambo, pretendendo a administração atingir, a prazo, 42 agências em quinze províncias.

O BCA conta com 40 mil clientes e com a agência de Malange dispõe actualmente de 28 agências, cinco das quais inauguradas em 2013, em Luanda. (macauhub)

 

Captura de pescado na província de Benguela, Angola, é inferior ao consumo

Enviar por E-mail Versão para impressão

20140120

Mais de 70 mil toneladas de peixe, nomeadamente sardinha, carapau, cavala, cachucho e corvina, foram capturadas em 2013 na província de Benguela, uma quebra real de 7 mil toneladas relativamente a 2012, informou o director provincial do sector.

José Gomes, director provincial em exercício das Pescas, disse à agência noticiosa Angop que a pesca industrial foi responsável por 16,5 mil toneladas do total, a semi-industrial por 40,9 mil toneladas, a artesanal por 15,1 mil toneladas e a continental por mil toneladas.

O director provincial disse que a quantidade actual de captura está muito aquém de satisfazer as reais necessidades da província de Benguela, estimadas em 120 mil toneladas/ano até 2017.

“Há filas de dezenas de camiões que ficam durante semanas parados junto às empresas de pesca na Baía Farta à espera de carregar o pescado para o transportar para outras províncias”, frisou.

Para aumentar os índices de captura, acrescentou, é necessário, por um lado, reforçar a frota de embarcações da província e, por outro, dar maior capacidade aos estaleiros para melhorar o apoio técnico aos barcos com avarias, evitando que fiquem parados durante muito tempo.

José Gomes disse ainda que ao contrário de 2012 não houve, no ano passado, produção de farinha e óleo de peixe esteve, dado não ter havido excedentes de captura de pescado para entrega à fábrica existente. (macauhub)

 

Angola será o principal destino de investimentos na indústria petrolífera em 2014/2015

Enviar por E-mail Versão para impressão

Angola vai ser o principal destino para investimentos na exploração petrolífera em 2014 e 2015, prevê a consultora Business Monitor International, que aposta num crescimento médio do PIB angolano de 7,4% até 2018.

“Prevemos que Angola mantenha a posição de principal destino de investimento na indústria petrolífera”, pode ler-se no relatório sobre gás e petróleo em Angola, no qual se afirma que apesar de se antever um abrandamento da produção de petróleo, os planos para novos projectos vão garantir um crescimento forte durante grande parte do período em análise – 2014 a 2018.

O documento cita o responsável da Sonangol em Luanda, Domingos Cunha, para sustentar que os próximos tempos serão muito atarefados, tendo em conta o lançamento de explorações na área do pré-sal, uma camada por baixo do fundo do mar que as autoridades angolanas acreditam ter enorme potencial, à semelhança do Brasil.

“Antecipamos uma temporada atarefada de perfuração nos próximos trimestres, com 32 poços planeados em Angola este ano, incluindo 15 que vão testar as formações de pré-sal”, lê-se no relatório, que explica que os 32 poços de 2014 contrastam com apenas dois no ano passado.

O responsável da Sonangol, aliás, é ainda citado para explicar que, até 2022, o número médio de poços vai ser, no total, de 25, e não apenas no pré-sal.

Na mesma altura em que foi divulgado este relatório sobre o sector do petróleo, a BMI lançou também outra análise sobre o ambiente empresarial em Angola, na qual estima que o crescimento económico vai acelerar nos próximos trimestres, alicerçado num grande programa de investimentos públicos e nas novas capacidades de produção petrolífera.”

“Prevemos que o PIB real cresça 7,3% em 2013, e depois 7,4%, em média, entre 2014 e 2018″, lê-se no relatório de perspectivas empresariais de Angola, citado pela agência noticiosa Lusa. (macauhub)

 

Empresário angolano António Mosquito no capital da construtora Soares da Costa a 12 de Fevereiro

Enviar por E-mail Versão para impressão

O empresário angolano António Mosquito será a partir de 12 de Fevereiro próximo o principal accionista da empresa de construção Soares da Costa, com uma participação de 66,7%, informou sexta-feira em comunicado o grupo português Soares da Costa.

“Por acordo estabelecido com o investidor [António Mosquito], foi designado o dia 12 de Fevereiro de 2014 para a conclusão da operação comunicada ao mercado em 13 de Agosto de 2013 e 26 de Novembro de 2013”, pode ler-se no comunicado divulgado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

O grupo adiantou que nessa data “será aferido, nos termos usuais neste tipo de transacções, o cumprimento das declarações e garantias constantes dos acordos celebrados entre as partes.”

A entrada de António Mosquito no capital da construtora Soares da Costa será efectuada através de um aumento de capital social de 70 milhões de dólares, a ser integralmente subscrito pelo empresário angolano em dinheiro.

Os restantes 33,3% do capital da Soares da Costa manter-se—ão nas mãos do empresário português Manuel Fino, que neste momento ainda controla 100% do capital da empresa. (macauhub)

 


Pág. 98 de 504
pub-angola-p.jpg
MM24
MM9